• Faça seu login
  • ou
  • cadastre-se

HISTÓRIA

1970. Aos 9 anos e morando em Paranaguá(PR), Avelino vê uma matéria sobre o surf na Revista Seleções (de 1968) e decide que quer fabricar “barcos que flutuam sobre as ondas”. Coloca uma quilha de latão em uma tábua de passar roupa, mas afunda. Tenta também com uma bóia de pneu de caminhão. Mais uma vez não funcionou, pois flutuava demais. Ai começa a “fissura” em fazer pranchas de surf.

1976. Em dezembro deste ano, Avelino faz sua primeira prancha de surf em Santos.

1978. Avelino passa a ser shaper (designer) profissional.

1982. A Equipe e as pranchas da Tropical Brasil se estabelecem como um novo padrão do esporte ao vencer o campeonato Olimpikus, conquistando 4 dos 5 primeiros lugares, deixando para trás todos os grandes nomes da época e projetando a marca para todo o país.

Após o campeonato Olimpikus, aconteceu o Circuito Catarinense de verão com três etapas. Os principais nomes do surf brasileiro na ocasião estiveram presentes. David venceu em São Francisco do Sul e Joaquina e Roberto Lima, também da equipe Tropical Brasil, venceu em Itapirubá. Dê novembro de 1981 ao final de fevereiro de 1982, a Tropical Brasil venceu os cinco campeonatos que aconteceram no sul.

Durante este ano iniciou a fabricação de roupas (bermudas e camisetas) com a marca Tropical Brasil e estabelecemos um novo ciclo de negócios no surf catarinense.

1983. Avelino viaja para Europa e Estados Unidos em busca de conhecimento e novas tecnologias. David Husadel vence o Circuito Catarinense Pro.

1984. Avelino Bastos retorna ao Brasil e redireciona os objetivos do projeto Tropical Brasil. Descobre com esse ano longe do Brasil que tinha algo de muito original e de grande valor. Isso lhe proporcionou grande orgulho, projetando e ampliando os seus sonhos e objetivos.

Avelino Bastos é capa da revista Fluir.

David Husadel vence o Circuito Catarinense Pro.

A Tropical Brasil faz o primeiro anúncio na revista Inside.

Com a fabrica ampliada e novas tecnologias, teve inicio a reformulação da equipe. Avelino conhece Teco Padaratz, então com 13 anos e começam a trabalhar juntos.

1985. David Husadel vai morar na Califórnia para aprimorar seu surf e inglês. Dê outubro a dezembro vai para o Hawaii.

Teco Padaratz é Campeão Catarinense Mirim.

David é capa da revista Inside.

1986. David Husadel vence o campeonato brasileiro OP Pro, sendo o primeiro catarinense a obter um título desta grandeza. No mesmo ano se torna Campeão Brasileiro Profissional.

Teco Padaratz com apenas 15 anos, chega a 2ª colocação do brasileiro na categoria amadora.

Teco Padaratz é campeão Catarinense Junior

Neco Padaratz, com 8 anos, também ingressa na equipe Tropical Brasil.

David Husadel viaja para Austrália, Bali, Europa, Marrocos e México e tem grande retorno em matérias nas revistas Trip, Fluir e Inside.

Teco é capa da revista Inside.

David é capa das revistas Fluir, Visual Esportivo e Inside.

1987. Avelino desenvolve um novo método de produção e acabamentos em pranchas de surf, mudando a estética do produto final (SUHV).

A Tropical Brasil passa a ser reconhecida como padrão de excelência no mercado e Avelino é convidado para diversas entrevistas sobre métodos de trabalho e estratégias de marketing.

Teco Padaratz vai morar na Califórnia para aprimorar seu surf e inglês.

David Husadel fica em 2º lugar na votação do Now/Trip Pool. Votação nacional feita pelos leitores do jornal Now e revista Trip.

Peterson Rosa ingressa na equipe Tropical Brasil.

1988. Avelino projeta e constrói uma máquina de shape para as pranchas Tropical Brasil.

Teco é capa das revistas Trip e Fluir.

Teco Padaratz vira profissional e passa a correr o circuito mundial da ASP, Association of Surfing Professional.

1989. David Husadel é capa da revista Inside.

 1990. Teco é capa das revistas Fluir e Surfer Brasil.

David é capa da revista Fluir.

David vence o Mormaii/Locobeach na praia do Silveira (etapa Abrasp).

 1991. Teco Padaratz vence o campeonato Internacional Alternativa Pro-Rio de Janeiro. Final contra Sunny Garcia.

David Husadel assume a edição da revista Inside.

Com os bons resultados das pranchas e equipe no circuito mundial e a forte credibilidade da imagem da Tropical Brasil, a empresa passa a se dedicar a expansão da marca em outras famílias de produtos.

1992. Começamos a expandir e comercializar novos produtos com a marca Tropical Brasil, com destaque na linha de confecções e equipamentos técnicos.

Avelino Bastos desenvolve uma nova versão de máquina de shape-SIRAP, Sistema Replicante de Alta Performance.

David Husadel é eleito Presidente da ABRASP, gestão 92/94.

Flavio “Teco” Padaratz torna-se Campeão Mundial do WQS, World Qualifyng Series.

Avelino, David e Teco, fundam a Tropi Comércio e Representações Ltda para administrar os interesses da marca Tropical Brasil e desenvolver o projeto de licenciamento.

1993. Avelino recebe o premio de melhor shaper (designer) do ano, realizado através de uma pesquisa feita entre os leitores da revista Fluir.

1994. Avelino Bastos recebe novamente o premio da Fluir de melhor shaper do ano.

Teco Padaratz vence o Rip Curl Pro, etapa da ASP na França. Final contra Kelly Slater.

Teco é capa da revista Fluir.

 1995. Avelino recebe pela 3ª vez o premio da Fluir de melhor shape.

 1996. Avelino recebe pela 4ª vez o premio de melhor shaper da Fluir.

 É reformulado o modelo de negócios da fabrica de pranchas com a Surfglass.

1997. A Tropical Brasil aparece como líder no ranking de pranchas e em sétimo lugar no ranking das melhores marcas de surfwear do Brasil, em pesquisa pela revista Fluir junto a seus leitores.

Avelino recebe pela 5ª vez o premio de melhor shaper da Fluir.

David Husadel reassume a edição da revista Inside, agora pertencendo ao grupo da Editora Três.

 1998. É reformulado o projeto de surfwear em conjunto com a Malharia Rana.

Avelino recebe pela 6ª vez o premio da Fluir de melhor shaper.

1999. Avelino recebe pela 7ª vez o premio de melhor shaper da revista Fluir.

Flavio “Teco” Padaratz conquista o Bi-campeonato Mundial do WQS/ASP.

2000. Teco fica em 2º lugar em Bells Beach-WCT na Austrália, em final contra Sunny Garcia.

David é Campeão Carioca Sênior e Máster.

Teco foi eleito o melhor surfista pelos leitores da revista Fluir.

Teco foi eleito o melhor esportista do ano na categoria “esportes radicais” pelos telespectadores do canal SPORTV.

Flavio “Teco” Padaratz encerra o ano como o melhor brasileiro no circuito mundial de surf e passa a fazer parte da Diretoria da Tropical Brasil na área de desenvolvimento da imagem e produtos da marca.

2001. Lançamos as polemicas e satíricas campanhas de Teco Padaratz encenando um coveiro, costureiro e ator pornô.

Na pesquisa de mercado realizada pela Waves/DataSurf/Fluir, a Tropical Brasil mantem a liderança em pranchas e sobe para 3º lugar como marca de surfwear.

Teco é convidado para participar do clip do conjunto Kid Abelha e tem grande divulgação no canal MTV.

Teco faz Tour de autógrafos nas lojas de São Paulo e tem grande repercussão.

A Tropical Brasil patrocina a Equipe Catarinense de Surf Amador-FECASURF no Circuito Brasileiro. A Equipe Catarinense vence com grande margem dos favoritos, São Paulo e Rio de Janeiro.

Em novembro a Tropical Brasil comemora 20 anos e faz duas grandes festas e um workshop com representantes em Florianópolis.

2002. A Tropical Brasil ganho o premio Fluir de melhor publicidade do ano.

David é Campeão Brasileiro Máster pela Confederação Brasileira de Surf.

Teco ganha pela segunda vez o premio de melhor surfista da Fluir.

Teco vence o Gotcha Pro-WQS 6 estrelas na França.

 2003. A Tropical Brasil lança vídeo institucional dirigido aos lojistas.

A linha de protetores solar é adicionada ao mix de produtos Tropical Brasil.

A Tropical Brasil é co-patrocinadora do Nova Schin Festival WCT Brasil.

Mundança de conceito para explorar o design e inovação nos equipamentos e surfwear.

2004. Após 15 anos no Circuito da ASP, Teco abandona o Mundial, mas continua sua carreira como competidor do Super Surf, apresentador de TV(RBS e Sportv) e detentor da licença do WCT Brasil.

Passa a ser reconhecida pelo mercado como a melhor linha de equipamentos para surf, em particular, o anti-derrapante Octo.

Lançamento da linha de óculos de sol.

 2005. A Tropical Brasil é premiada pelo design do anti-derrapante Octo e recebe menções honrosas pela embalagem da cordinha e pelo kit reparo.

A Tropical Brasil assume a operação de surfwear com o intuito de aproveitar melhor o mercado em crescimento e desenvolver estilo de design inovador também em produtos de confecção. Funda em São Paulo, Tropi SP, nova estrutura comercial, pronta entrega e centro de distribuição.

2015. Tropical Brasil cria sua plataforma de EPS/EPÓXI CWXes com as melhores espumas, longarinas, fibras e resinas do mercado, agregado a um processo tecnológico de ultima geração em fabricação de pranchas.